quinta-feira, 20 de agosto de 2015

Ventos do outono

A contradição dos fins de tarde
É o horizonte não dizer nada
É não se ver os mesmos olhos
Que há pouco tempo eram só meus

A eterna esperança vaga
Da mudança repentina
De um dia sermos algo
Mesmo sem nunca sermos um

Quero ser em seu horizonte
O fim de tarde amarelo
Silencioso, quente e triste
Uma tristeza leve, infinita

Como os ventos do outono

                                                 Rafael Freitas




Nenhum comentário:

Postar um comentário